Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.21/4556
Título: Cobertura de risco ou especulação? : Evidência da utilização de derivados pelas empresas portuguesas durante a recente crise financeira
Autor: Cruz, Bernilde da Conceição
Orientador: Sacadura, José Nuno Teixeira de Abreu de Albuquerque
Palavras-chave: Derivados financeiros
Gestão de risco
Especulação
Estrutura ótima de capital
Crise financeira 2008
Derivatives
Risk management
Speculation
Optimal capital structure
Financial crisis 2008
Data de Defesa: Dez-2014
Resumo: Num mundo imperfeito, predominado pela incerteza, a gestão da exposição ao risco sistemático ou não diversificável tem sido objeto de grande preocupação por parte dos agentes económicos. A atual crise financeira europeia, a maior após a Segunda Guerra Mundial, aumenta essa incerteza. Para garantir uma gestão eficiente, as empresas tentam reduzir o aumento dos riscos financeiros decorrentes da variabilidade da taxa de juro, da taxa de câmbio e do preço das commodities através da implementação de estratégias de cobertura. No entanto, a gestão dos riscos financeiros de uma empresa depende da perceção que o responsável financeiro tem do risco, e se esse risco pode ou não afetar o valor esperado da empresa. A literatura sobre a gestão de riscos financeiros é mista, alguns autores argumentam que a implementação de políticas de cobertura de risco pode ser benéfica para a empresa, enquanto outros defendem o oposto. Ao longo deste estudo, analisamos as características das empresas portuguesas não financeiras que utilizam derivados durante a recente crise. Baseado numa amostra de 29 empresas portuguesas não financeiras cotadas durante o período 2008-2009, os resultados sugerem que a utilização de derivados financeiros, para fins de cobertura de risco, está positivamente relacionada com a dimensão da empresa, corroborando a literatura existente. Sugerimos também que as empresas com grandes volumes de vendas em moedas estrangeiras são mais propensas a recorrer aos mercados financeiros derivados com outros fins para além da cobertura de risco.
In an imperfect world, dominated by uncertainty, the management of systematic risk has been a matter of great concern among economic agents. The current European financial crisis, the biggest after World War II, boosts this uncertainty. In order to ensure an efficient risk management, firms try to reduce the increased financial risks arising from interest rates, exchange rates and commodity price variability through the implementation of hedging strategies. However, the financial risk management of a firm depends on the CFO perception of risk, and whether that risk may or not affect the expected value of the firm. The financial literature on risk management is mixed, some authors argue that the implementation of hedging policies can be beneficial to the firm, while others argue the opposite. Throughout this study, we analyze the characteristics of non-financial Portuguese firms that use derivatives during the recent crisis. Based on a sample of 29 listed non-financial Portuguese firms during 2008-2009, the findings suggest that the use of financial derivatives, for hedging objectives, is positively related to the size of the firm, corroborating the existing literature. We also suggest that the firms with large volumes of sales in foreign currencies are more prone to resort to financial derivatives for other purposes than hedging.
Descrição: Mestrado em Contabilidade
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.21/4556
Aparece nas colecções:ISCAL - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO BERNILDE _final.pdf401,2 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.