Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.21/4010
Título: Validação do uso de cone-beam computed tomography de kilovoltagem de um LINAC para a realização de estudos dosimétricos
Autor: Barbosa, Joana Figueiredo Gomes Medeiros
Orientador: Ferreira, Brígida da Costa
Ferreira, Sandra Polainas
Palavras-chave: Radioterapia
Dosimetria
Cone-Beam Computed Tomography de kilovoltagem
Radiotherapy
Dosimetry
Kilovoltage cone-beam computed tomography
Data de Defesa: 2013
Editora: Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa
Citação: Barbosa JF. Validação do uso de cone-beam computed tomography de kilovoltagem de um LINAC para a realização de estudos dosimétricos [Dissertation]. Lisboa: Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa/Instituto Politécnico de Lisboa; 2013.
Resumo: Objetivo: Determinar se o uso de imagens de Cone-Beam Computed Tomography de kilovoltagem de um acelerador linear para realizar estudos dosimétricos de Radioterapia tem igual precisão dosimétrica ao uso de imagens de Tomografia Computorizada de planeamento. Materiais e Métodos: Adquiriram-se imagens de Tomografia Computorizada dos fantomas CIRS® Electron Density e CIRS® IMRT Head & Torso com os protocolos clínicos, usados para planeamento dosimétrico. De seguida adquiriu-se para os mesmos fantomas e para o fantoma Catphan® 600, imagens de Cone-Beam Computed Tomography de kilovoltagem no OB®I do acelerador linear Clinac® 2100 DHX. Com as imagens adquiridas do Catphan® 600 criaram-se as curvas de calibração de Unidades de Hounsfield. Comparou-se o número de Unidades de Hounsfield entre os dois sistemas. Realizou-se um plano dosimétrico nos diferentes protocolos para o fantoma CIRS® IMRT Head & Torso com fotões de 6MV e 16MV nas imagens de Tomografia Computorizada. Transpôs-se o mesmo plano, para as imagens de Cone-Beam Computed Tomography de kilovoltagem de modo a comparar as diferenças nas unidades monitor e dose. Discussão de Resultados: Ao comparar as Unidades de Hounsfield obtidas, para o fantoma CIRS® Electron Density, na Tomografia Computorizada versus Cone-Beam Computed Tomography de kilovoltagem verificou-se uma diferença superior a 200 HU para os inserts Titanium Core e Trabecular Bone. Nos restantes inserts a média da diferença de HU´s obtidas entre os dois sistemas de aquisição foi de 172 HU´s. Para o fantoma CIRS® IMRT Head & Torso, que tem dimensões inferiores, a maior diferença obtida foi para o insert Dense Bone. No cálculo de dose constatou-se não existirem diferenças estatisticamente significativas de UM obtidas para as imagens de Tomografia Computorizada e Cone-Beam Computed Tomography de kilovoltagem. Conclusão: Poderá ser possível a utilização de imagens de Cone-Beam Computed Tomography de kilovoltagem no planeamento dosimétrico. No entanto, é necessário aprofundar o estudo avaliando os mesmos parâmetros em situações de cálculo de dose com diferentes algoritmos e técnicas de tratamento como IMRT e SBRT.
ABSTRACT - Objective: To determine whether Kilovoltage Cone-Beam Computed Tomography images of a linear accelerator may be used for Radiotherapy dosimetric studies and if these are equivalent to using planning CT images. Materials and Methods: Images were acquired in the CT for two CIRS® phantons. Then, images were acquired for the same phantons and the Catphan® 600 phantom with OBI kV-CBCT in the linear accelerator Clinac® DHX 2100 for the different acquisition modes. From the Catphan® 600 images the HU calibration curve for two acquisition modes of the kV-CBCT in Eclipse® TPS was created. We compared the number of HU’s between the CT and Cone-Beam Computed Tomography de kilovoltagem in each acquisition mode. A simple dosimetric plan was computed using photons of 6 and 16MV photons. The same plan was then transposed to the image KVCBCT in order to compare the differences in Monitor Units and dose. Discussion of Results: The comparison of HU’s for the phantom CIRS® Electron Density between the CT and the kV-CBCT showed a difference of more than 200 HU for the inserts Titanium Core and Trabecular Bone. In the remaining inserts the average difference of HU's obtained between the two acquisition systems was 172 HU's. For the phantom CIRS®Head & Torso, which has smaller dimensions, differences were obtained but the most significant was for Dense Bone. In computed dose calculation, there were no statistically significant differences in monitor units between the CT and kV-CBCT images. Conclusion: It may be possible to use images of kV-CBCT planning of radiotherapy. However it is necessary a study to evaluate the same parameters in more complex dose calculations.
Descrição: Mestrado em Radioterapia
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.21/4010
Aparece nas colecções:ESTeSL - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Validação do uso de Cone-Beam Computed Tomography de kilovoltagem.pdf1,61 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.